(+351) 21 342 67 42

Ricardo Ribeiro

Ricardo Alexandre Paulo Ribeiro nasceu em Lisboa a 19 de Agosto de 1981. Frequentou aulas de guitarra clássica e formação musical – grau 3 – com os professores: José Carvalhinho, Manuel Soutulho e Lisete Teixeira.

Conviveu com o Fado desde muito novo, ouvindo grandes fadistas da época que se tornaram as suas referências: Fernando Mauríio, Amália Rodrigues, Alfredo Marceneiro, Manuel Fernandes, Adelino dos Santos (Guitarra) e José Inácio (Viola) entre outros.

Participou em inúmeras sessões de fado organizadas por Coletividades de Cultura e Recreio e Casas de Fado como: “Académica da Ajuda”, “Vendedores de Jornais FC”, “Os Ferreiras”, “Nónó” e “Faia”.

partir de 2001 recebe convites para participar em festivais nacionais e internacionais de música: “Alu- Casa da atriz Maria Casares”, “Badasom”, “Vocal Jazz Festival Crest”, “Festival de Guitarra de Córdoba”, “Festival de Guitarra de Santo Tirso”, entre outros.

Em 2004 foi editado pela CNM – Coleção Antologia o seu primeiro álbum com o nome “Ricardo Ribeiro”, que conta com a colaboração do guitarrista José Manuel Neto, Jorge Fernando e Marino de Freitas. Participou no “Tributo a Amália Rodrigues” – da editora World Conection, no mesmo ano.

Em 2005, a convite do encenador Ricardo Pais integra o espetáculo “Cabelo Branco é Saudade”, com Celeste Rodrigues, Argentina Santos E Alcindo de Carvalho, apresentado no Teatro de Nacional São João, Cite de la Musique (Paris), Teatro Abadia (Madrid), Opera de Frankfurt, Teatro Mercadante (Itália), Casa da Musica no Porto, Teatro Municipal de São Luiz e editado em DVD.

Ainda em 2005 recebe o prémio Revelação Masculina da Fundação Amália Rodrigues.

Em 2008 recebe o convite do alaudista/compositor Libanês Rabih Abou Khalil para cantar “Em Português”, um álbum com poemas de Silva Tavares, Mário Rainho, Tiago Torres da Silva, José Luís Gordo e António Rocha, editado pela editora Enja Records, eleito Top of the World Album atribuío pela revista inglesa SongLines.

A sua interpretação recebe os maiores elogios da crítica que cita Ricardo Ribeiro como “ ...THE RISING STAR OF LISBON FADO”, citando a SongLines.

Faz parte do filme “Fados” de Carlos Saura e também do “Filme do Desassossego ” de João Botelho. Participa em “Rio Turvo” de Edgar Pêra e no documentário de Diogo Varela Silva “O Rei sem coroa”, sobre a vida e obra de Fernando Maurício.

Participa no “Concerto de Natal 2009” e no concerto recriação do mítico concerto “Amália no Olimpia”, no Campo Pequeno em Lisboa, com Mariza, Celeste Rodrigues, Camané, Rui Veloso e Carminho.

Ao longo destes anos, tem participado nos discos de nomes grandes da Música Portuguesa como: Rui Veloso, Simone de Oliveira, Pedro Joia, Rão Kyao, João Gil e Carlos do Carmo. Colaborou nos espetáculos de homenagem aos grandes fadistas Fernando Maurício, Fernanda Maria, Argentina Santos, Rodrigo e Anita Guerreiro.

Em 2010 produz “Porta do Coração” com Pedro Castro (Guitarra Portuguesa), Jaime Santos (Viola) e a colaboração de Prof. Joel Pina (Viola-Baixo), editado pela EMI MUSIC PORTUGAL. Apresentado no Grande Auditóio do Centro Cultural de Belém, “Porta do Coração” atinge o galardão de ouro por vendas superiores a 10000 exemplares.

Em 2011 recebe o prémio de Melhor Intérprete Masculino atribuído pela Fundação Amália Rodrigues. No Teatro Municipal de São Luiz realiza dois concertos dedicados a Lisboa e ao Fado com lotações esgotadas.

Participa no ciclo de música Luso-Chinesa, cantando com a Orquestra Chinesa de Macau, no Grande Auditório do Centro Cultural de Macau, sob a direção do Maestro Pang Ka Pang. Com Rabih Abou Khalil e Luciano Biondini apresenta “Em Português” nos “Dias da Musica 2011” no Centro Cultural de Belém, transmitido em direto pela Antena2.

Participa no “Festival International de Musique Andalouse et Musique Ancienne”, integrado na Capitale Islamique de la Culture 2011 em Tlemecen-Alger.

Em 2012 colabora com a cantora Maria Jonas, a violetista Susanne Ansorg e o alaudista Fábio Accurso no concerto de música antiga “Lágrimas de Saudade” em Bielefeld – Alemanha, transmitido em direto pela WDR3. Ainda neste mesmo ano faz parte do cartaz da 2a edição do Festival de Fado de Madrid, nos Teatros Del Canal, sala Roja, com Pedro de Castro, Jaime Santos, Prof. Joel Pina e a colaboração de Pedro Joia.

Canta na Bienal de Veneza 2013 no jantar inaugural do pavilhão de Portugal concebido pela artista plástica Joana Vasconcelos, com Pedro Jóia e Quarteto Arabesco.

Também em 2013, participa com Pedro Jóia no concerto comemorativo do Dia de Portugal e das Comunidades Portuguesas em Caracas, com a “Orquestra sinfónica da Venezuela” sob a direção do Maestro Osvaldo Ferreira, no Teatro Teresa Carreño.

Convidado pelo “FESTIM” – Festival Intermunicipal de Musicas do Mundo – , apresenta ao vivo “Em Português”, com Rabih Abou Khalil e Luciano Biondini.

Grava com a “Frankfurt Radio Big Band” composições de Rabib Abou Khalil “Em Português”, com arranjos e direção do conceituado Maestro Jim Macneely.

O quinto álbum “Largo da Memória” editado pela Warner em outubro de 2013 reúne os vários músicos com quem Ricardo tem trabalhado ao longo dos anos: Pedro Caldeira Cabral, Pedro Jóia, Rabih Abou-Khalil ou Ricardo Rocha, entre outros e marca um momento de afirmação da sua carreira e maturidade artística.

Em fevereiro de 2014, o fadista apresenta Largo da Memória no CCB, Grande Auditório e na Sala Suggia da Casa da Música, ambos esgotaram. Para além dos nomes referidos acima, Ricardo partilhou o palco com Pedro de Castro na guitarra portuguesa, Jaime Santos na viola de fado, Francisco Gaspar na viola baixo, tendo ainda o quarteto de cordas e uma homenagem ao Prof. Joel Pina.

Paralelamente, o fadista continua o seu projeto em duo com Pedro Jóia e semanas antes, esgotaram o Elebash Center, em Nova Iorque, proeza que repetiram na Madeira, no verão. Em julho, os dois músicos fizeram a primeira parte de Mariza no EDP CoolJazzFest. No fim da atuação os três atuaram juntos.

Em abril arrancou a tournée de apresentação de Largo da Memória com o apoio do Montepio. O primeiro concerto teve lugar no Casino da Figueira da Foz e até dezembro de 2014 passou por Cartaxo, Setúbal, Ílhavo, Coimbra, Estarreja e tantas outras.

A época de festivais revelou-se cheia para Ricardo Ribeiro que figurou nos cartazes do festival Sons do Atlântico, no Algarve, Festival da Quinta das Lágrimas em Coimbra, Festival Bons Sons em Tomar, concerto escolhido pelo jornal o Público como “o” concerto da edição, Nós Em D ́Bandada no Porto e Festival Caixa Alfama, em Lisboa, entre outros.

Janeiro de 2015 é já um mês com muitos feitos e grandes conquistas: Ricardo Ribeiro foi nomeado para a categoria de Melhor Artista de 2015 pela revista britânica Songlines, a bíblia da world music. Esteve com Olga Cerpa para a apresentação do cd “Estacíon Lisboa” no Teatro Cuyás, em Las Palmas e recebeu a Comenda da Ordem do Infante D. Henrique, juntamente com as fadistas Ana Moura, Carminho e Kátia Guerreiro e o guitarrista Mário Pacheco.

Em abril o fadista e o pianista João Paulo Esteves da Silva integram o cartaz do festival Dias da Música, no CCB e apresentam um repertório intimista e de encontro entre os dois músicos.

Do alinhamento deste espetáculo inédito fazem parte temas como “Mal Aventurado”, “Verdes Anos” ou “Os Demónios de Álcacer Quibir”, de Sérgio Godinho, entre tantos outros temas.

Em maio, Ricardo Ribeiro esteve pela primeira vez na Noruega, atuando nas cidades de Bergen e Ulsteinvik. Em junho festejou o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas em Angola e apresentou-se pela primeira vez na cidade de Luanda.

Atualmente, Ricardo Ribeiro continua a levar o seu Largo da Memória aos mais diversos palcos nacionais e internacionais, além de continuar em tournée com o libanês Rabih Abou-Khalil. Em Portugal o quarteto apresentou-se no ano passado, em Lisboa. Este ano, no bonito Salão Árabe do Palácio da Bolsa, concerto em duo e inserido no Caixa Ribeira e a 18 de junho em formato alargado, na programação comissariada por Aldina Duarte, “Fados e Tudo” que desde 2014 anima as as Festas de Lisboa, no São Luiz.

Já em julho de 2015 é editado pela Universal Music francesa a homenagem a Amália com direção artística de Rúben Alves. O realizador luso descendente junta no mesmo cd a nova geração do fado e Ricardo Ribeiro e ao lado de Celeste Rodrigues, Ana Moura, Carminho, Gisela João, Camané e António Zambujo, protagoniza um trabalho só de fados cantados pela eterna diva do Fado. Ricardo interpreta “Grito” e na colaboração especial convida Javier Limón no tema ” A Portuguesa”.

A gravação do cd dará um documentário, também realizado por Rúben Alves com data prevista de estreia ainda este ano.