(+351) 21 342 67 42

Anita Guerreiro

Anita Guerreiro, nasceu na cidade de Lisboa a 13 de Novembro de 1936. Aos sete anos já dava nas vistas, cantando entre familiares e amigos na colectividade Sport Clube do Intendente, situada no bairro onde cresceu.

Em Dezembro de 1952 concorre ao "Tribunal da Canção", um passatempo radiofónico do programa "Comboio das Seis e Meia", na época um enorme sucesso. Sobre este dia escreveu-se na imprensa: “Havia um cronómetro a contar o tempo dos aplausos recebidos por cada concorrente…. e Anita dispensou-o – tal a alegria do público a ovacioná-la com a surpresa da artista feita que não figurava no programa, mas enchia a sala com uma bela e sentida voz…”. (“Plateia”, 01 de Dezembro de 1970). O produtor do programa, Marques Vidal, surpreendido com a qualidade da sua prestação retirou-a do concurso e fê-la estrear-se no Café Luso com o nome artístico Anita Guerreiro.

Em 1954 a "Voz de Portugal" destacava Anita Guerreiro na secção “Cantam Estrelas”: "...pelo que já vimos e ouvimos, é bem digna das nossas palavras de estímulo, é bem merecedora da nossa simpatia compreensiva." (A Voz de Portugal, 01 Agosto de 1954). Neste jornal figura também uma das primeiras criações de sucesso de Anita Guerreiro, “Menina Lisboa”, com letra de Francisco Radamanto e música de Martinho D´Assunção.

Em 1955, Anita Guerreiro apresenta-se no palco do Teatro Maria Vitória, nas revistas "Ó Zé aperta o laço”, onde se estreia e “Festa é Festa”. De novo o jornal “A Voz de Portugal” destaca a protagonista que revela em entrevista: “Se não fosse artista, gostaria de ser milionária, mas como isso é impossível, continuarei a ser artista para servir o Fado e o Teatro, sempre com a intenção de bem servir o público.” (“A Voz de Portugal”, 01 de Março de 1956).

Seguiram-se dezenas de outras participações em revistas. Neste palco, Anita Guerreiro distingue-se na divulgação do fado e de canções com temas populares e “alfacinhas”, interpretados com grande autenticidade e natural talento, fazendo de Anita uma das mais aplaudidas figuras do teatro de revista.

Embora com menor divulgação, Anita Guerreiro participou no filme, "Lisbon" (1956) de Ray Milland, onde interpretou o tema "Lisboa Antiga" (Amadeu do Vale – José Galhardo / Raul Portela).

No histórico Parque Mayer, Anita Guerreiro funda e dirige a casa típica Adega da Anita, por onde passam grandes figuras do circuito fadista. Mais tarde encerra o espaço e parte com o marido para Angola, por onde se mantêm cerca de 3 anos. Após o seu regresso a Lisboa integra o elenco do Teatro Capitólio, no teatro de revista, Anita Guerreiro dá início a um dos pontos mais altos da sua carreira.

Do seu repertório constam grandes sucessos, e como afirmou recentemente: "Tive a sorte e, desde o início, apareceram pessoas a oferecer-me músicas e poemas. O que canto é tudo meu." (“DN”, 26 Julho de 2005).

Anita Guerreiro popularizou na sua voz vários êxitos, dos quais destacamos o fado-canção "Cheira a Lisboa” (Carlos Dias/César Oliveira) que em 1969 estreou na revista “Peço a Palavra”, no Teatro Variedades. Estas interpretações, em tempos áureos do Parque Mayer, conduziram-na ao Prémio Estevão Amarante para Melhor Artista de Revista (1970). Quase simultaneamente, em terras africanas, é-lhe atribuída a Guitarra de Oiro para além de prémios de interpretação e o primeiro prémio de fado (Festival da Canção de Luanda).

Apesar de todo o sucesso que obteve na sua carreira artística, nomeadamente no teatro de revista, Anita Guerreiro teve necessidade de se afastar durante um longo período de tempo. Regressou em 1982 ao Teatro Variedades, na revista "Há...mas são verdes". Nesse período de afastamento, Anita Guerreiro manteve-se a cantar Fado, gravando e actuando no estrangeiro, em longas temporadas na Europa, Canadá e nos Estados Unidos da América, locais onde recebeu os aplausos do público, nomeadamente das comunidades de emigrantes. Reflexo desse êxito são os Óscares de Popularidade que Anita recebeu em 1987 e 1988, em Fall River (E.U.A.).

No seu retorno a Portugal, Anita Guerreiro volta à interpretação, desta vez com grande destaque para a televisão, onde participou nos elencos de algumas telenovelas e séries portuguesas, destaque para "Primeiro Amor", (1995), "Roseira Brava" (1996), "Uma Casa em Fanicos" (1998), "A Loja do Camilo" (1999), "Nunca Digas Adeus" (2001), "Os Batanetes" (2004), e mais recentemente “Sentimentos” (2009). Pelo meio, regressa ao cinema em 1997, para um papel no filme "Morte Macaca" de Jeanne Waltz.

Num tributo à carreira de Anita Guerreiro, a Movieplay lança em 1994 um CD, integrado na colecção "O Melhor dos Melhores", com alguns dos seus maiores sucessos: "Festa é Festa" (Carlos Dias/Aníbal Nazaré), "Chico Marujo de Alfama" (António José/Ferrer Trindade), “Lisboa Ribeirinha” (António José/Rocha Oliveira), entre muitos outros.

A cidade, a que Anita Guerreiro tantas vezes presta homenagem, retribui o devido reconhecimento, e em Outubro de 2001, o Município de Lisboa, entrega-lhe o Pelourinho de Prata da Cidade. A par desta sua popularidade, Anita é também convidada para Madrinha de várias marchas populares de Lisboa, nomeadamente a "Marcha dos Mercados".

A 17 de Fevereiro de 2004 realiza-se no Teatro Municipal de São Luiz um tributo à voz emblemática da cidade de Lisboa, num espectáculo comemorativo dos 50 anos de carreira da fadista e que antecedeu a homenagem que, em Novembro de 2004, a Câmara Municipal de Lisboa, atribui à fadista, com a entrega da Medalha Municipal de Mérito, Grau de Ouro. Neste espectáculo estiveram presentes nomes como António Calvário, António Rocha, Fernanda Baptista, Marina Mota, Natalina José, entre outros que se juntaram à justa consagração.

Também em retrospectiva da sua vasta carreira, a Movieplay lança em 2005 o CD "Anita Guerreiro - Antologia 50 Anos de Teatro em Revista (1955-2000)" com 30 dos seus maiores êxitos interpretados na Revista portuguesa.

Entre os aplausos, que presentemente continuam a soar na casa de fados Faia, e da qual Anita Guerreiro integra o elenco, as homenagens sucedem-se, como a ocorrida em Outubro de 2006 pela Junta de Freguesia dos Anjos.

Grande referência no seu percurso é a presença em inúmeras revistas, das quais destacamos: "Ò Zé aperta o laço" (1955), "Cidade Maravilhosa" (1955), "Fonte Luminosa" (1956),"Mulheres de Sonho" (1960), "Peço a Palavra" (1969), "Catraias e Vinho Verde" (1984), "Pão Pão, Queijo Queijo" (1985), "De Pernas para o ar" (1995) e mais recentemente "A Revista é Linda!" (2006).